30 de dez de 2011

Apenas uma Taça – um brinde ao mestre Stoker – Georgette Silen


                          Apenas uma Taça – um brinde ao mestre Stoker – Georgette Silen

Por Tânia Souza

É inegável o fascino que os vampiros exercem aos amantes das criaturas sombrias, poucas criaturas oferecem sedução tão singular quanto eles. Feroz, sedutor, belo, mórbido, cruel, melancólico, horrendo... as nuances são intermináveis.  E curiosamente, estão presentes nas mais diferentes culturas. Com o passar do tempo, o mito se modificou e novos atributos explorados na literatura e no cinema, nem sempre aceitos por todos, deram novos ares e novos fãs. E a lenda continua tendo força. Afinal, a eternidade é uma tentação grande demais para ser ignorada.

Georgette Sillen, autora de Apenas Uma Taça – Um brinde ao mestre Stoker, está envolvida com o universo dos vampiros já há algum tempo. Organizadora da coletânea O Grimoire dos Vampiros e autora do romance Lázarus, conhece o tema e soube explorar com habilidade as diferentes facetas das criaturas. A presença de personagens do universo ficcional de Lázarus é uma agradável surpresa que agradará tanto aos que já os conhecem como aos que ainda não o leram.



São 15 contos explorando diferentes aspectos da lenda do vampiro, e para quem quiser saber um pouco mais da pesquisa realizada e as simbologias do mito, a autora falou sobre o tema Aqui. Como sempre faço nas leituras de antologia e coletâneas, não vou comentar todos os contos, mas alguns, principalmente os meus favoritos, merecem um destaque a mais. Vamos a eles:

O colecionador de ossos – O relato surpreendente de uma ordem de caçadores de vampiros, um vampiro-rei, a sedução meticulosa de um pesquisador, caninos, ratos e muito sangue esperam pelo leitor em um cenário muito bem construído. 

A dama do leque escarlate
– Este conto me lembrou imediatamente a linda capa do livro, que ainda assim, não consegue transmitir toda a personalidade marcante da personagem. Deus, o Diabo e um jogo antigo demais para ser compreendido envolvem a bela protagonista Scarlet Camila, o sedutor Baltazar, cardeais e a inocente Madeleine. Beleza, sedução, crueldade, traições, paixões e momentos de sensualidade, revolta e melancolia aguardam o leitor. Espero ler mais aventuras neste universo, gostei bastante.

O beijo do Loogaroo – Um Loogaroo, segundo as informações constantes nas notinhas do livro, é um vampiro das lendas de ilhas caribenhas. Uma pessoa comum durante o dia, mas que, a noite, despe-se de sua pele para beber o sangue das crianças em suas camas. É amaldiçoado por espíritos malignos ou pelo próprio demônio. Pois ao chegar em uma pequena comunidade, uma jovem e idealista professora vai enfrentar bem mais do que lendas e superstições. Curandeiros, crianças, maldade, inocência e a dor da perda  são alguns dos temperos dessa aventura.

Uma canção para Homero – Para quem acompanhou o universo de Lázaros, aqui, conhecemos um pouco mais de Alexia e o fascinante universo das lâmias, dos poetas e por que não, com a ideia de secretos poemas épicos protegidos por guardiões persistentes até mesmo ao tempo. E mesmo a mais perfeita beleza pode ser fatal.

A asa negra da morte – Um dos contos mais cruéis e impressionantes, traz a presença do Aswang, uma criatura vampírica das lendas filipinas, com características peculiares: pode transmutar-se em uma ave grande ave negra, beber o sangue de fetos ainda na barriga das mães e se alimentar de vísceras de cadáveres. Somente com estes elementos, imaginem só o que espera pelo leitor. Fiquei angustiada com o constante tic tic tic da narrativa.  

Linha vermelha – Em um conto futurista, rápido e letal, criaturas a espreita nas sombras, tecnologia e surpresas terríveis aguardam o protagonista. 

Uma prece para Clementine – Triste, violento e feroz. E ao mesmo tempo, belo e comovente. Clementine Fevré é mais uma das personagens do universo de Lázarus que a autora retoma nesta antologia.

O cântico do súcubo – Um conto repleto de visões e delírios que se confundem com a realidade. Entre estradas quase perdidas, ruínas e mosteiros, uma criatura antiga e misteriosa desperta: tentação, desejo, carnificina e pecado serão os elementos mais contundentes dessa narrativa.

Sobre vampiros e vampiros – Crianças, frio, dor e fome. Solidão, tristeza.  Uma personagem forte, impressionante e cruel. Mas... como o próprio titulo indica, há vampiros e VAMPIROS.

O selo vermelho – O maior conto do livro traz elementos vários, da descoberta do Novo Mundo aos mitos da antiga Grécia, de tribos indígenas no meio da mata ainda agreste ao cenário contemporâneo, criaturas em uma guerra tão antiga quanto às lendas vivenciam sentimentos inusitados, aventuras mortais e uma disputa ferrenha.

Este livro é muito interessante para quem quer conhecer narrativas em tons mais clássicos sobre o tema do vampirismo, a leitura destas 348 páginas tem muito a oferecer aos que desejam conhecer um pouco mais do universo vampiresco. E sem deixar de oferecer cenários contemporâneos, personagens novos e sentimentos bastante humanos, como o amor, o medo, o terror, a traição, a paixão, a perda, a solidão, o desejo e outros mais.

Para agradar a diferentes leitores.

E brindar ao mais sedutor dos “monstros”!

3 comentários:

georgette silen disse...

Obrigada pela resenha Tânia, sempre é um show ler seu trabalho =)
Bjsssss

Tânia Souza disse...

Valeu Georgette, com certeza, adorei ler. E aguardo a sequência de Lázarus^^

jessiesoares disse...

Obrigada pela visita ao Pra Ler, Tânia!
Muito bacana seu blog.
Não conhecíamos essa autora - hora de ler mais a respeito! Esta resenha nos lembrou o prêmio que o Horror Writers Association vai dar à melhor obra desde Drácula (http://praler.wordpress.com/2012/02/10/o-melhor-desde-dracula/) Muito mudou no universo literário dos vampiros, não é?
Abraços!

Seguidores

 

© 2009À LitFan | by TNB